A solidão da maternidade

Entre tantas coisas que me falaram sobre a maternidade, tanto as boas quanto as difíceis, nunca me contaram o quão solitária ela também pode ser. E mesmo com tantas tarefas diárias, e com um bebê que exige toda sua atenção, às vezes dá aquele vazio imenso.

Diferente do pai que trabalha fora, socializa diariamente com outras pessoas e de vez em quando dá uma saidinha com os amigos. Para nós mulheres é muito mais difícil, pois ser mãe é uma tarefa de 24 horas por dia, durante 7 dias da semana. E principalmente nos primeiros meses, ficar em casa trancada é mais complicado que se imagina.

Lembram que esses dias falei como é importante ter ajuda de outras pessoas? E este é um dos motivos, nós mulheres, mães queremos sempre abraçar o mundo. Muitas vezes achamos que ninguém vai saber cuidar do nosso filho tão bem como nós, o que não deixa de ser verdade (rsrsrs). Mas é indo por este caminho que muitas vezes esquecemos de nós mesmas, das nossas necessidades, e até da nossa sanidade.

Já me vi enlouquecida por falta de dormir. Às vezes a exaustão é tão grande que esqueço o nome das coisas mais banais que existem. Tem dias que sim, dá uma vontade louca de dar uma fugidinha, e ficar sozinha bem quietinha, dormindo por umas 12 horas seguidas. Até porque ultimamente eu mal sei o que é dormir umas 6 horas.

É claro que a vontade passa assim que vejo aquele sorriso banguela do gordinho mais lindo que existe, impossível ficar longe. Eu sou daquelas mães que fica olhando o filho dormir, e neuroticamente fica verificando se ele está bem ao invés de ir descansar.

Eu sei que, como tudo na vida vai passar, e vou até esquecer de tudo. E que vai bater aquela saudade imensa do que já foi e não volta mais. Afinal, a graça da vida é feita dos momentos que vivemos, dos sorrisos, dos cheiros, e do dia a dia.

E cada mês tem uma nova fase, o tempo aqui é bem traiçoeiro. Simplesmente vai passando na velocidade da luz, parece que foi ontem que eu estava descobrindo minha gravidez, louca para exibir um barrigão pelo mundo, e ansiosa pela chegada do meu filho.

Não me leve a mal, eu nunca me arrependi da família que construí, ao contrário, agradeço todos os dias à Deus pelo que tenho. Venho tão somente, através desse textão sentimental, fazer um desabafo de mais uma mamãe solitária.

1 comentário Adicione o seu

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *