Você sabe o que é dor do crescimento?

Você já ouviu falar em dor do crescimento? Então, saiba que é algo bem comum entre crianças entre 3 e 8 anos.

Porém nem toda criança passa por este incômodo. Segundo especialistas, apenas 15% da população infantil enfrenta este processo de desenvolvimento. E ainda assim, é possível aliviar os desconfortos com massagens e muito amor.

O que é?

A dor do crescimento é uma sensação de dor, que infelizmente não possui uma causa específica. Alguns médicos relacionam a uma sobrecarga causada pelo crescimento dos ossos de uma maneira mais veloz que os músculos e os tendões. Outros dizem se tratar de uma fadiga muscular, ocasionada pelas brincadeiras ao longo do dia, mas que pode ter ligação emocional –problemas familiares ou pressão na escola.

Há ainda uma hipótese de hereditariedade, mas a verdade é que não existe nenhuma comprovação científica que mostre a real razão. O que se sabe é que a dor está ligada ao crescimento.

Como é a dor do crescimento?

A dor do crescimento pode ser dolorida para a criança, mas em contrapartida não afeta a saúde

 

A dor é mais comum nos membros inferiores (panturrilhas, coxas e atrás dos joelhos) e geralmente tem início no final da tarde ou de noite, que é quando a musculatura fica relaxada. Algumas crianças chegam a acordar durante a noite chorando pela dor.

Mas vale lembrar que a dor do crescimento não é uma doença e nem causa problemas à criança, além do incômodo que a criança sente, ela  não interfere no seu desenvolvimento ou saúde, e a tendência é que desapareça com o tempo.

Como aliviar as dores?

Não existe um tratamento específico para tratar a dor do crescimento, mas é importante que os pais mostrem atenção para a dor do filho
Não existe um tratamento específico para tratar a dor do crescimento, mas é importante que os pais demonstrem atenção para a dor do filho

Não é necessário uso de medicação para controlar as dores, pois eventualmente irão cessar. O aconselhado por especialistas é massagear a região ou aplicar compressas com água morna. Vale também explicar para a criança o que está acontecendo, dizendo que é algo normal e passageiro.

Em alguns casos o médico poderá indicar fisioterapia ou outro tipo de exercício específico. Mas sempre procure atendimento profissional.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *